Google+ Followers

quinta-feira, 25 de setembro de 2008

Os perigos do câncer do colo do utero




O Câncer do colo do útero é uma doença perigosa, que atinge milhares de mulheres por ano no Brasil.
Mas graças aos avanços da medicina, hoje em dia isso pode ser evitado. Se for descoberto no início, o câncer do colo do útero pode ser tratado e curado.
Mas você também tem que fazer a sua parte. Em primeiro lugar, você precisa se conhecer melhor, saber como funciona seu corpo, entender o que é normal e o que não é.
Com isso, fica muito mais fácil conversar sobre o assunto, inclusive com o marido ou namorado. Quando informados, os parceiros podem ajudar na luta contra o câncer do colo do útero.
Com esse conhecimento, fica mais fácil também exigir o seu direito a um atendimento adequado nos Postos de Saúde.

CÂNCER DE MAMA

BIÓPSIA DE LINFONODO SENTINELANO CÂNCER DE MAMA
O fator prognóstico mais importante no câncer de mama localizado é a presença ou ausência de metástase linfonodal. Na sua grande maioria, o câncer de mama dissemina inicialmente para linfonodos regionais.




A biópsia de linfonodo sentinela (BLS) é uma nova técnica que permite um estadiamento linfonodal mais acurado e sem a morbidade de uma linfadenectomia completa. A BLS é uma abordagem conservadora da axila que requer a colaboração da equipe cirúrgica, medicina nuclear e patologia. Como é o caso da cirurgia conservadora da mama (quadrantectomia) como uma alternativa viável à mastectomia como tratamento definitivo do câncer de mama primário, a linfadenectomia seletiva proporcionada pela BLS tem a vantagem de diminuir a morbidade sem comprometer a cura da paciente. A avaliação histológica abrangente de somente um ou de poucos linfonodos (linfonodo sentinela), melhora o estadiamento histopatológico da axila em pacientes com câncer de mama.

Injeção do radiofármaco para linfocintilografia.





INDICAÇÕES



•Tumores pequenos , com axila clinicamente negativa



CONCLUSÃO



A biópsia radioguiada do linfonodo sentinela poderá tornar-se o padrão de conduta em pacientes com câncer inicial da mama se as evidências clínicas demonstrarem que a não realização do esvaziamento axilar em pacientes com linfonodo sentinela negativo, não altera os padrões vigentes quanto: ao controle locorregional da doença a recidiva tumoral a sobrevida das pacientes.



CONTRA-INDICAÇÕES



• Linfonodos axilares palpáveis



• Tumores maiores que 4cm



• Tumores multifocais ou multicêntricos



• Cirurgia axilar prévia Etapas do procedimento (ver fotos a seguir e descrição em Melanoma Cutâneo):



1. Linfocintilografia pré-operatória



2. Detecção gama intra-operatória



3. Mapeamento linfático com corante vital



4. Exame do linfonodo sentinela

Linfocintilografia. Linfonodo sentinela axilar e na mamária interna.

Exemplos de drenagem visto na linfocintilografia.
Identificação do linfonodo sentinela (azul)

e checagem pela detecção gama.

Semana da Saúde

Na E.E. ANTONIO FERRAZ esta semana professores, alunos e gestores desenvolvem a SEMANA DA SAÚDE:segunda-feira, dia 22 de setembro, os alunos do Ensino Médio, assistiram a uma palestra com o Enfermeiro ANDERSON NAZZI do Hospital Amaral Carvalho de Jaú sobre câncer de pele. A palestra foi realizada no Grêmio Recreativo dos 200, contou também com a presença de professoras, as coordenadoras Elaine e Ana Lúcia e a Srª Joseane V. Smaniotto Cuciello, responsável pelo Grupo de Voluntários do Câncer de Mineiros do Tierê. Os alunos ficaram surpresos com as informações e as imagens que visualizaram.


Nesta quinta-feira, também aconteceu no mesmo espaço, a palestra com a Psicóloga Ana Keila Goes Caseiro, sobre o câncer de mama. Todos os presentes ficaram surpresos com as informações e assustados com as imagens das mamas já em estágio avançado.
















A Professora Vanda Vendramini Martins está coordenando o projeto na escola e convida toda população, principalmente mulheres para a palestra na sexta-feira, dia 26 de setembro sobre câncer de colo de útero e após a palestra as adolescentes e mulheres presentes poderão fazer o exame de Papa Nicolau gratuitamente pelos médicos e enfermeiros do Hospital Amaral Carvalho de Jaú que trarão uma Ambulatório móvel próprio para os exames.
A escola, preocupada com o índice de gravidez precoce e o aumento de doenças sexualmente transmissíveis, promove todo ano estudos e palestra sobre o tema.

terça-feira, 23 de setembro de 2008

Organizando um miniprojeto












As professoras das 6ª séries estão trabalhando a situação de aprendizagem 1 de como organizar um miniprojeto.
Elas apresentaram leituras de situações fictícias; elaboraram, junto aos alunos um quadro-síntese; fizeram um levantamento e checaram hipóteses de se montar um miniprojeto na escola, atendendo às necessidades mais urgentes.
Foram apresentadas estratégias para apresentação do projeto; a partir de observações da realidade escolar, os alunos pensaram em soluções para resolver alguns problemas e beneficiar a todos.
Nossa escola é rica e privilegiada no que diz respeito à Biblioteca: cadastrados, possuímos mais de 5 mil livros, portanto ficou complicado pensar num projeto que atendesse às necessidades básicas dos alunos, pois todo espaço físico é cuidadosamente preenchido com ambiente pedagógico para atender a demanda escolar.
Porém, em aulas interativas, com a participação dialógica dos alunos, com situações bem elaboradas de conteúdos e estratégias pelas professoras, chegou-se a um consenso: elaborariam um miniprojeto de uma Horta para a suplementação da merenda escolar.
Trabalhos em duplas e em grupos; valorização do cotidiano escolar e do aprendizado ativo centrado no fazer coletivo, foram algumas das estratégias usadas pelas professoras de Português, Marcia, Luciana e Maria Isabel.

quinta-feira, 18 de setembro de 2008

Que sujeito é este?




Caminhando contra o vento sem lenço e sem documento no sol de quase dezembro eu vou... Alegria, Alegria Entre classes de sujeitos que a Língua Portuguesa dispõe, há três que, ao que tudo indica, causam mais dúvidas. São eles: sujeito oculto, indeterminado e inexistente.
Sujeito indeterminado – É quando perguntamos à frase quem fez tal ação a resposta for o pronome eles. Reconhecemo-lo quando o verbo está na 3ª pessoa do plural ou do singular, sendo que no singular deve ser acompanhado pelo pronome se ... Disseram que eu voltei americanizada com o burro do dinheiro, que estou muito rica, que não suporto mais o breque do pandeiro e fico arrepiada ouvindo uma cuíca... Cantada por Caetano Veloso. No caso, quem disse que eu voltei americanizada? Eles. Portanto, temos um sujeito que é indeterminado. Sujeito inexistente – Como o próprio nome sugere, o sujeito inexiste, ou seja, a oração não possui sujeito. Ocorre principalmente quando temos verbos na 3ª pessoa do singular acompanhando fenômeno da natureza e com o verbo chegar no imperativo. “... Chega de saudade. A realidade é que sem ela não há mais paz, não há beleza, é só tristeza e melancolia que não sai de mim, não sai de mim, não sai...Chega de saudade/Composição: Tom Jobin / Vinicius de Moraes. Mas cuidado, pois se o fenômeno da natureza compuser oração de sentido figurado, esta não pertencerá ao que chamamos de oração sem sujeito, enquadrando-se em outra classe de sujeito. Assim que o dia amanheceu lá no mar alto da paixão, dava pra ver o tempo ruir, cadê você, que solidão, esquecer ai de mim!... Oceano/Composição: Djavan/ Chico Buarque


Como Descobrir uma Criança Disléxica




Nos últimos sete anos, venho desenvolvendo estudos sobre a contribuição da lingüística para o diagnóstico da dislexia. A dislexia é uma síndrome pouco conhecida e pouco diagnosticada por pais e educadores, especialmente os pedagogos e médicos, que se voltam ao desenvolvimento cognitivo das crianças na educação básica (educação infantil, ensino fundamental e ensino médio)
A dislexia é uma perturbação ou transtorno ao nível de leitura. A criança disléxica é um mau leitor: é capaz de ler, mas não é capaz de entender eficientemente o que lê.
O que nos chama atenção, à primeira vista, é que uma criança disléxica é inteligente, habilidosa em tarefas manuais, mas persiste um quadro de dificuldade de leitura da educação infantil à educação superior.
Minha estimativa, por baixo, é a de que, no Brasil, pelo menos, 15 milhões crianças e jovens sofram com distúrbios de letras. Creio que a dislexia é a maior causa do baixo rendimento escolar.
A linguagem é fundamental para o sucesso escolar. Ela está presente em todas as disciplinas e todos os professores são potencialmente professores de linguagem, porque utilizam a língua materna como instrumento de transmissão de informações.
Muitas vezes uma dificuldade no ensino da matemática está relacionada à compreensão do enunciado do que ao processo operatório da solução do problema.
Os disléxicos, em geral, sofrem com a discalculia, dificuldade de calcular, porque encontram dificuldade de compreender os enunciados das questões.
É necessário que diagnóstico da dislexia seja precoce, isto é, os pais e educadores se preocupem em encontrar indícios de dislexia em crianças aparentemente normais, já nos primeiros anos de educação infantil, envolvendo as crianças de 4 a 5 anos de idade.
Quando não se diagnostica a dislexia, ainda na educação infantil, os distúrbios de letras podem levar crianças de 8 a 9, no ensino fundamental, a apresentar perturbações de ordem emocional, efetiva e lingüística.
Uma criança disléxica encontra dificuldade de lê e as frustrações acumuladas podem conduzir a comportamentos anti-sociais, à agressividade e a uma situação de marginalização progressiva.
Os pais, professores e educadores devem estar atentar a dois importantes indicadores para o diagnóstico precoce da dislexia: a história pessoal do aluno e as suas manifestações lingüísticas nas aulas de leitura eescrita.Quando os professores se depararem com crianças inteligentes, saudáveis, mas com dificuldade de ler e entender o que lê, devem investigar imediatamente se há existência de casos de dislexia na família. A história pessoal de um disléxico, geralmente, traz traços comuns como o atraso na aquisição da linguagem, atrasos na locomoção e problemas de dominância lateral.
Os dados históricos de dificuldades na família e na escola poderão ser de grande utilidade para profissionais como psicólogos, psicopedagogos e neuropsicólogos que atuam no processo de reeducação lingüística das crianças disléxicas.
No plano da linguagem, os disléxicos fazem confusão entre letras, sílabas ou palavras com diferenças sutis de grafia como a-o, e-d, h-n e e-d, por exemplo.
As crianças disléxicas apresentam uma caligrafia muito defeituosa, verificando-se irregularidade do desenho das letras, denotando, assim, perda de concentração e de fluidez de raciocínio.
As crianças disléxicas apresentam confusão com letras com grafia similar, mas com diferente orientação no espaço como b-d. d-p, b-q, d-b, d-p, d-q, n-u e a-e. A dificuldade pode ser ainda para letras que possuem um ponto de articulação comum e cujos sons são acusticamente próximos: d-t e c-q, por exemplo.
Na lista de dificuldades dos disléxicos, para o diagnóstico precoce dos distúrbios de letras, educadores, professores e pais devem ter atenção para as inversões de sílabas ou palavras como sol-los, som-mos bem como a adição ou omissão de sons como casa-casaco, repetição de sílabas, salto de linhas e soletração defeituosa de palavras.
Por fim, com os novos recursos da sociedade informática, pais e educadores devem redobrar os cuidados.

O Currículo e a Formação para um Mundo Globalizado e Plural



Quando nos tornamos nacionalistas, psicologicamente nos tornamos indivíduos em conflito com o resto do mundo...
Nos dias de hoje, o currículo deve se voltar para a formação de cidadãos críticos, comprometidos com a valorização da diversidade cultural, da cidadania e aptos a se inserirem num mundo global e plural. A partir do século XX, o currículo passa a ser visto como uma construção, uma seleção da cultura que deve estar comprometida com a emancipação das classes oprimidas, com a ligação de conteúdos a experiências vividas por essas classes, de maneira a provocar uma conscientização de suas condições de vida e uma perspectiva de mudança destas.
O caráter excludente de algumas escolas e do currículo tradicionais, que reproduzem as desigualdades sociais, ao trabalhar com padrões culturais distantes das realidades dos alunos devem ser abolidos, pois além de “expulsar”, via reprovação e evasão, os alunos que mais necessitam da escola para sua educação, não estão mais de acordo com as propostas da educação e realidade atuais. Segundo Canen (2000, 2001, 2002, e 2003), Assis & Canen (2004), Canen e Moreira (2001), o currículo, na visão multicultural, deve trabalhar em prol da formação das identidades abertas à pluralidade cultural, desafiadoras de preconceitos em uma perspectiva de educação para a cidadania, para a paz, para a ética nas relações interpessoais , para a crítica às desigualdades sociais e culturais. Um currículo multicultural pode trabalhar em todas as perspectivas. Pode apresentar fases folclóricas, em que mostre a influência de diferentes povos na formação da cultura (como, por exemplo, a influência dos árabes nas ciências, na matemática; a influência dos africanos na cultura brasileira e de outros povos), como também pode, em outros momentos, trabalhar com a perspectiva multicultural crítica de desafio a preconceitos, formação da cidadania e questionamentos acerca da desigualdade que atinge determinados grupos (por exemplo, pode-se na literatura trabalhar com textos em que, Apesar de ressaltado seu valor literário, apareçam traços preconceituosos contra negros, mulheres, idosos, e assim por diante, contextualizando essas idéias, mostrando suas raízes históricas, enfatizando a sua influência acerca do autor e revelando modos de vê-las e enfrentá-las nos dias atuais). No entanto, pode ainda em momentos diferentes,mostrar a diversidade dentro da diversidade. Nesse caso, por exemplo, pode questionar conceitos esteriotipados em notícias de jornal, que fazem referência a povos e grupos de maneira homogeneizadora. Dessa forma, as demandas por um currículo multicultural, na época contemporânea de pluralidade cultural, de conflitos, de ataques terroristas de exasperação dos preconceitos e das diferenças, de desafios éticos na formação da juventude, tem sido enfatizada na literatura acerca do currículo, nacional e internacional.
Autora: Cássia Ravena Mulin de Assis Medelemail: ravenamedel@yahoo.com.br

Educadores


Conhecendo as idéias dos principais pensadores e educadores que norteiam os métodos e filosofias de ensino podemos refletir sobre a nossa prática pedagógica, adicionar novas técnicas e analisar comportamentos dos alunos.

Excelentes aliados para suprir as necessidades de educar no sentido pleno da palavra.